2.11.06

pessoal e intransferível

Perdi minha velha mãe: uma dama de 90 anos, há mais de uma década envolta no véu de uma enfermidade que a despojava de memória, beleza e graça. Contemplar impotente enquanto ela se afastava de mim e da realidade foi a um tempo fascinante, espantoso, e infinitamente triste.

Embora eu tivesse me defendido, nos anos em que ela já não me reconhecia, dizendo que minha mãe tinha morrido e ali havia uma velha dama de quem me coubera cuidar, era tudo mentira. Ergui essa barreira para levar a vida em frente com a ave sombria daquela dor pousada em meu ombro, tão presente quanto ela mesma se ausentava.

"Nunca fui tão filha como na orfandade."

- Lya Luft

= = =

conviver com a minha avó de 90 anos e vê-la ser levada pelo Alzheimer me dá bem uma dimensão de como esta vida é efêmera. por outro lado, vejo o Alzheimer despojá-la, pouco a pouco, não só das lembranças, mas também das máscaras que ela levou uma vida inteira para consolidar e atrás das quais se escondia. vejo-a, agora, tornar-se uma pessoa brincalhona e de uma afetuosidade quase infantil que nunca antes conheci.

ser testemunha desse processo só reforça em mim o sentimento de importância, de urgência mesmo, de vivermos bem a cada momento, e do quanto cada momento é precioso.

2 comentários:

Dudu disse...

Esse tipo de processo traz um ótimo aprendizado para quem está ao redor. Passei por isso há muitos anos, com minha avó, e a forma como a doença vai isolando a pessoa do mundo é angustiante. Mas, ensina muito sobre aproveitar a vida, e nunca perder a vontade de seguir adiante.

Anônimo disse...

Viva o momento presente e seja feliz!!!!!
beijos,
RÔ ( não sou anônima, é obvio, no entanto, esqueci minha senha....rs....) coisa de pisciana