26.11.08

Sim, o corpo



Primavera
Sim, o corpo
desperta
espreguiça
e se espalha
se desdobra
e se esquenta
e se acalora
ribeirão de águas claras
murmulhando entre os seixos
e as curvas,
e os meandros
lá no fundo do quintal

o corpo sonha
sonhos de barro úmido, e molda
formas safadas no ventre
melando-me de argila líquida nos cantos – o calor
me apalpa e me morde
nos mais remotos recônditos
murmurando obscenidades
(...revoada de borboletas na cabeça)
o coração correndo às cabriolas
dispara aos pinotes sob o sol

depois de um longo inverno truncado
assistindo à vida da janela
meu corpo
lateja
os ossos, a carne, a pele, o frêmito
a vida
que urge
e dança
em mim.

= = =

3 comentários:

RÕ ESPER disse...

Estou encantada com essa tua nova fase...
beios carinhosos,

RÔ ESPER disse...

HAHAHAHA,
TÃO EMOCIONADA FIQUEI, QUE ESCREVI ERRADO BEIJOS.....

cris s. disse...

podia ser pior... vc podia ter me mandado "seios carinhosos", kkkkkkkkkk... ;-))))))))))