30.8.06

recém-saído do forno

Manifesto
Outro dia cheguei num lugar
aonde já não ia há muito tempo
- tanto, que tinha até esquecido.
Era um lugar de céu límpido e claro
um ar fresco de alto de montanha
e um solzinho gostoso pra me esquentar.

Daí me deu uma tristeza imensa
por já não ir lá há tanto tempo,
por não lembrar mais
(de tanta pedra que eu carrego)
como era me sentir leve de vez em quando.
Foi então que percebi
quanta porta fechada carrego dentro de mim,
quantos nãos digo pra mim mesma o dia inteiro,
todos os dias,
e me tolhem os movimentos,
me cortam as asas,
não me deixam respirar.

Está na hora de dar um basta.

Isto é um manifesto:
CHEGA DE PORTAS FECHADAS.

Pretendo começar a abri-las todas, uma por uma;
e aquelas que não forem mais necessárias, demolir.
Aliás, pôr abaixo paredes inteiras,
sempre que possível.

E, no espaço assim aberto,
plantar um jardim e
soltar os meus bichos
- e rolar na relva com os leões,
subir a correnteza dos rios com as carpas,
esvoaçar entre as flores com as borboletas,
cavalgar unicórnios e libélulas
e depois descansar nas nuvens,
aninhada em conchas de madrepérola.

Para enfim reencontrar
no espaço
a paz que guardo dentro de mim.

(Rio, 30/08/06)

ilustração: laini taylor (essa moça é uma danada! ;-)

Um comentário:

Bi disse...

puxa lindona, saudades dos seus escritos :) lindo demais..