5.10.06

estrangeira

Je crois qu'il profita, pour son évasion, d'une migration d'oiseaux sauvages.
("Creio que ele pegou carona, para partir, com uma migração de pássaros selvagens")

= = =

Outrora eu era daqui,
e hoje regresso estrangeiro,
forasteiro do que vejo e ouço,
velho de mim.

Já vi tudo, ainda o que nunca vi,
nem o que nunca verei.
Eu reinei no que nunca fui.

- Bernardo Soares, "Livro do desassossego"

= = =

um grande silêncio.
desligaram o interruptor.
blecaute.
só o barulho do vento lá fora,
o som das folhas mortas varrendo o chão.

depois de acordar ontem com insônia
às 3:24 da manhã
- sim, está tudo bem, mas
estou em recesso.

2 comentários:

Dudu disse...

Graças ao crespúsculo podemos ver a grandiosidade do sol. E é na companhia do silêncio é que captamos o encanto por trás de cada tom e cada nota da musicalidade da vida que nos cerca.

Os recessos são nossos melhores professores. O seu acaba de me ensinar que posso ver poesia também nos momentos de extrema felicidade. Obrigado !!! ;)

cris s. disse...

é, meu amigo... o que seria de nós se nao vissemos um bocadinho de poesia em cada momento...? :-)

bjaum.