26.7.08

Desde pequena venho desenvolvendo a arte de berrar

Desde pequena venho desenvolvendo a arte de berrar. Recentemente, comecei a me aprimorar nos berros líquidos, que podem ser medidos não em decibéis, mas em metros cúbicos. Essa modalidade específica requer especial atenção para que a golfada não ricocheteie contra o berrador e o afogue. Trata-se de uma arte de alto risco. Exige ginga.

Hoje berro um pouquinho todos os dias, o suficiente para encher um jarro. Sacia a minha sede pelo resto do dia e economiza água. É bom, em tempos de aquecimento global e preocupações com o ecologicamente correto. No começo eu berrava mais, postada no meio da sala – mas incomodava os outros, não era educado. A vizinha de baixo reclamava do aguaceiro caindo todos os dias na varanda dela: por pouco não afogo suas petúnias premiadas. Decidi que teria mais mérito no berro controlado, e assim parei de berrar em vão. Passei a mirar em recipientes; especializei-me e só berro em potes. No entanto, sonho com o dia em que terei uma casa, e poderei regar o gramado com a gritaria.

5 comentários:

Rô E. disse...

querida amiga,
fique tranquila, pois costumo usar capa impermeável, guarda-chuva etc...logo, não se preocupe comigo, estou preparada para qualquer enxurrada...pode contar com a amiga que "adora" uma água.....rs..........mas achei muito sábio pensar na questão do aquecimento global...te amo!!!
bjos,

RÔ E. disse...

ps: e o mais importante....texto brilhante!!!!!

O Leitor disse...

Para que um quintal com jardim? Basta o corredor de um prédio comercial na rua da Assembléia. Nada que um bom grito não espante. Eu ouço pelo Skype ou MSN. ;)
bjs

Juliana Gontijo disse...

olá, minha cara escandalosa,

tenho te visitado e babo com seus textos. vc arrasa!

João Octávio disse...

ótimo texto. valeu a pena esperar tanto tempo (desde formicídio #3) por um texto novo... Abraços e continue assim